O Amor - O Fim | Mamãe Recomenda

23 de junho de 2010

O Amor - O Fim

O Amor - O Fim

"De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto." 
trecho do Soneto da Separação - Vinicius de Moraes

Sabendo que só a chama é eterna. O amor acabou. Apesar de todos os esforços evolutivos. Milhares de anos dedicados à conservação da espécie, de momentos felizes e românticos, acabou-se o que era doce. Por quê, hein?
Para entender, é preciso voltar no tempo e fazer um passeio pelas savanas africanas, 3 milhões de anos atrás. O homem caçava e protegia a família. A mulher cuidava dos filhotes. Mas, em determinado momento, os casais se separavam. O objetivo da família nuclear - nome técnico que os antropólogos dão ao conjunto de pai, mãe e filhos - era garantir que o homem ficasse por perto tempo suficiente para criar o filhote. Somente isso. Quando o filhote já estava crescidinho e não exigia atenção integral da mãe (que por isso podia voltar a se virar sozinha), o pai estava livre para ir embora e procurar outras fêmeas para procriar. É daí que vem a chamada crise dos 7 anos.
Como atualmente, nem a fêmea está presa à sua cria, todo aquele processo evolutivo foi por água abaixo, o relacionamento amoroso com fins de apoio mútuo, não é mais ser necessário, ancestralmente falando. Tornaram-se mais frágeis e curtos. Porém, alguns estudos afirmam, que se você aguentar mais que 7 anos, a probabilidade de permanecer ao lado da genitora da sua prole ou do seu varão provedor, é grande.
Mas, se apesar dos esforços da natureza, o destino não colaborar com seu relacionamento e o fim for inevitável,não se culpe. A verdade é que boa parte dos relacionamentos está destinada a acabar. E esse momento pode ser muito difícil, pois a Natureza, apesar de friamente calculada, errou a mão, quando trata-se do fim de um relacionamento, principalmente, se uma das partes, ainda não chegou a essa conclusão. E aí, o processo se divide em duas partes:

A 1a é o protesto. É quando a a pessoa fica fazendo promessas, doida para reatar. Isso pode ser muito inconveniente. Mas ela não tem culpa. É o corpo agindo. "O cérebro estava acostumado com aquela recompensa [a pessoa amada], então faz você insistir mais e mais para tentar consegui-la de novo", explica a neurologista Suzana Herculano-Houzel. O pânico de ver que não está dando certo pode acionar o sistema de estresse do organismo, que por sua vez estimula novamente a produção de dopamina - ironicamente, fazendo a pessoa se sentir ainda mais apaixonada. 
Depois vem a 2a fase: aceitação. Depois de ver que o amado não irá mesmo voltar, muita coisa pode passar pela cabeça da pessoa - depressão, confusão, frustração. Até mesmo ódio. Mas por que sentir algo tão ruim por alguém que se amou? É que o ódio e o amor passam pelas mesmas partes do cérebro - a ínsula e o putâmen. "A diferença entre os dois é que, no ódio, existe mais capacidade de planejar as ações. No amor, o julgamento está prejudicado", diz o neurologista Semir Zeki, da University College London. Então o ódio é mais racional que o amor? Não necessariamente. Mas ele tem sua função: é uma defesa do organismo para nos fazer seguir em frente. Em vez de ficarmos remoendo eternamente as dores, passamos a não querer mais ver a pessoa. "Assim como o cérebro associava coisas positivas a uma pessoa, ele pode passar a associar só sentimentos ruins, negativos", diz Suzana Herculano-Houzel. Todos nós sofremos e fazemos sofrer.
Tem gente que mata (e se mata) por amor. Mas a maioria das pessoas supera as dores emocionais da separação. Um estudo feito pela Universidade Northwestern mostrou que terminar uma relação não é tão ruim quanto pensamos que vai ser - geralmente leva metade do tempo que achamos. E melhor coisa para curar um coração partido é começar outro relacionamento.
Se não há bem que não se acabe, também não há mal que sempre dure.

"De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente."

Soneto da Separação - Vinicius de Moraes  



Tudo que acaba, um dia teve meio, um dia começou. Se você não entende porque acabou, leia mais em O AMOR - INICIO e O AMOR - O MEIO 


Um comentário:

Um blog não é nada sem o seu comentário! Participe!

Você sabe o que rola por ai? O Ocioso sabe...

Siga também!

Licença Creative CommonsProtected by Copyscape Online Plagiarism Finder Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Link Building - Free Innovative Link Exchange, Link Trading and Link Building
Do not just trade meaningless links, trade them to build your site. Use the Link And Build Innovative Link Technology to Build and Optimize Your Websites. Fast, Easy and Very Effective.

Uptime for Mamae Recomenda: Last 30 days
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger