Preguiça Juvenil | Mamãe Recomenda

10 de maio de 2010

Preguiça Juvenil

Nos  anos 80 o sucesso do grupo Ultraja a Rigor, "Inútil", antecipava o comportamento dos jovens do século XXI.
Hoje, ao pedir para filha de 11 anos varrer o quintal, ela a fez um escarcel,  chorou como se eu tivesse lhe aplicado a maior das torturas e fui obrigada a ouvir a seguinte desculpa: "Minha professora falou que criança não tem que trabalhar, tem que só brincar! É contra a lei fazer as crianças trabalharem, sabia?!"
Eu nem discuti o comentário com ela, porque  o sangue me subiu à cabeça, fazendo aquela veia do pescoço saltar e a pestana tremer numa convulsão localizada!
Que mundo é esse???? Onde as crianças aprendem desde cedo a serem encostadas??? Os jovens de hoje parecem sofrer de alguma doença terminal!
Desde os 7 anos, minha mãe me fazia lavar louça, passar aspirador, limpar o carpete e mais uma porrada de coisas - confesso, eu me sentia a própria Cinderela, só que com a mãe malvada! - mas, eu tinha que fazer e fazer direito, com punição de começar tudo de novo!
 Conheço muita gente, que começou a trabalhar antes dos 12 anos! E não morreu, nem ficou com sequelas terríveis! Acho que as leis, a educação e um monte de gente hipócrita tem conduzido os jovens por esse caminho. Não sou a favor do trabalho escravo infantil, mas já cansei de ver notícias de pais sendo punidos porque seus filhos estavam trabalhando no negócio da família ou algo assim. A verdade é que trabalhar nunca fez mal a ninguém! Mas hoje é crime fazer seus filho entender, que as coisas não caem do céu, e que existe um monte de coisa chata pra caramba, que precisa ser feita, mesmo que a gente não goste!


Eu conheço uma mãe, que foi advertida pelo Conselho Tutelar, pois o filho reclamou na escola, que não podia levar lição de casa, pois a mãe o ameaçava e ás vezes batia, quando ele não fazia a lição na hora que ela queria. O fato é que o filho, com 13 anos, é um vagal de primeira, só quer jogar futebol e video game! Aliás, essa é a desculpa da maioria, que será jogador de futebol, então não precisa estudar! Nem obrigado a estudar eles são! Mesmo porque, num país onde não há essa exigência nem para os governantes, fica difícil convencer os jovens a estudarem!
 E desde quando um marmanjo de 15 anos é criança? Alguns lideram  até quadrilhas de assaltantes, porque não podem trabalhar??? Eita, que minha veia tá saltando no pescoço de novo!
(Imagem Cinderela: O Globo  
Leia essa matéria da Revista Veja: "A gente somos inútil." , que fala sobre esse problema crônico e sério, pois trata-se do povo, que herdará toda essa zona aqui!
  
A gente somos inútil

Craque no computador, o adolescente classe média não faz nada em casa nem quer fazer - Aida Veiga
 

Um ser de exigências principescas, concentração ultra-seletiva e pouquíssima habilidade prática repousa em berço esplêndido nos lares da classe média brasileira: o filho adolescente. De tanto viver cercada de empregada, motorista, pai que trabalha muito e mãe mais ocupada ainda, a garotada se espanta com atividades que nunca, em tempo algum, requereram grande prática ou habilidade. Apresente-se ao garoto uma manga e uma faca, e ele desiste e pega um chocolate. Coloque-se diante da menina agulha e linha, e ela embatuca: como é mesmo que uma encaixa na outra? Isso, sem falar nas tarefas que são chatas mesmo, como cuidar da própria roupa, arrumar o próprio quarto e enxugar o próprio banheiro. "Não faço nada em casa", assume Daniel Bushatsky, 15 anos, aluno do 1º colegial do Colégio Santa Cruz, em São Paulo. "Acho mais importante estudar e conseguir um bom emprego para poder pagar empregada do que aprender a passar roupa." E mamãe, o que acha disso? "É culpa minha, que nunca tive a iniciativa de ensinar", diz Mônica, 42 anos. "Para dizer a verdade, quando eu casei não sabia nem fazer café."
Daniel tem um irmão gêmeo, André, com certa noção dos mistérios domésticos, que o salva nas emergências. "Se preciso abrir uma lata, chamo o André", diz. Sim, porque, quando se empenha, adolescente é gente que faz. Ninguém desvenda mais rápido um computador, um videogame, uma agenda eletrônica desde que o objeto seja seu, ou de seu individualíssimo interesse. No mais, é sombra e Cola-Cola fresca, para agüentar horas vendo televisão e intermináveis conversas ao telefone. E se a fome bate justo na hora em que a empregada saiu e a mãe está no trabalho? A saída costuma ser biscoito, cereal, pipoca (de microondas) ou, no máximo do esforço físico, um sanduíche. Fruta não, que dá trabalho. "Nem levanto do sofá para pegar", relata o paulista Rodrigo Ghattas, 16 anos de muita mordomia. Rodrigo nega que não faça nada faz sim, "quando precisa". Por exemplo, se está na rua e não tem carona para casa, toma a iniciativa e pega um ônibus. A mineira Joana Rodrigues, 15 anos, é outra que considera que tem uma função doméstica importantíssima. "Sou a secretária da casa: atendo a todos os telefonemas. Sei que são para mim mesmo", diz, expondo o intenso apego ao telefone esse objeto que funciona quase como uma extensão do ouvido dos adolescentes. 
"Nem o passarinho" "Eu sinto muita preguiça de fazer as coisas", resume a paulistana Fernanda Lepore, 15 anos. Muito satisfeita com o que chama de "serviço de primeira" de sua casa, ela vai para a escola de carro, com o padrasto, e a empregada leva as refeições no quarto (veja quadro). "A maioria dos adolescentes não faz nada em casa mesmo", constata a psicóloga Fátima Trindade, orientadora pedagógica do Colégio Santa Maria, de São Paulo. "Eles querem receber tudo pronto, sem mexer uma palha." Ou, como admite o carioca Bruno Caiuby, 17 anos, mestre em fazer sanduíche e deixar tudo prato, talheres, ingredientes em geral em cima da mesa para alguém arrumar: "Eu só ajudo a bagunçar". A mãe, Heloísa, releva. "Prefiro fazer tudo em casa a ter preocupação. O mais importante é que ele dê satisfações, ligue quando vai chegar tarde, diga sempre onde está, e nisso ele é muito atencioso. Nos dias de hoje, isso é que vale", diz, repetindo um argumento comum aos pais de adolescentes.
Querer escapar do batente doméstico, eles sempre quiseram. Não é de hoje que adolescente reclama como jogador pego em falta no campo cada vez que é chamado a pôr a mesa do jantar. A diferença é que atualmente, sem a mãe por perto para exigir e com empregados freqüentemente à mão, serviço doméstico é coisa expurgada do currículo da garotada. "O adolescente não tem mais aquela ânsia de ser independente", avalia o pediatra e terapeuta Eugenio Chipkevitch, diretor do Instituto Paulista de Adolescência. "Em geral, ele não está mais preocupado em mudar o mundo, e sim em entrar na faculdade e ganhar dinheiro." A educadora paulista Rosemeire Cameron concorda. "Com 12, 13 anos, eu tinha tarefas semanais, como lustrar o piano e cuidar do cachorro", suspira Rosemeire, 40 anos, mãe de Pedro Henrique, 14, Carolina, 13, e Rafael, 7. "Meus filhos não cuidam nem do passarinho." Carolina, a única menina, reclama se é convocada a ajudar com a louça nos fins de semana, ocasião em que a empregada está de folga. "Nunca me ofereço para essas atividades domésticas", diz. "Só faço quando me obrigam." Ou seja: raramente, porque, diferentemente de sua própria e exigente mãe, Rosemeire prefere nem pedir para evitar desgaste. "Já negocio tantos problemas com eles. Não quero ter mais um", alega. "Sei que é comodismo, e claro que me cansa, mas acabo fazendo tudo sozinha."
Reclama, mas faz A grande desculpa dos adolescentes para sua inutilidade doméstica é o excesso de atividades no dia-a-dia. Às vezes, ele é ocupado mesmo, como é o caso da ex-chiquitita e hoje atriz global Fernanda Souza, 14 anos, que não põe a mãozinha na arrumação do quarto. "Trabalho tanto que, quando tenho uma folguinha, durmo", confessa. Já Nina Moreira Vieira, 15 anos, única filha da atriz Angela Vieira, esgota as energias estudando e jogando vôlei. A mãe, conformada, só interfere a partir do momento em que a bagunça ultrapassa a porta do quarto. "Aí não dá isso me deixa fora do prumo", rebela-se Angela. Mas, afinal, é melhor brigar ou aceitar que o quarto é dela e fica como ela bem entender? "O quarto é o espaço deles, onde têm o direito de fazer o que quiserem. Mas claro que, quando a bagunça extrapola os limites, é preciso impor ordem", recomenda a socióloga e psicóloga carioca Sonia Ribeiro. A regra geral é que pais indulgentes terão rebentos folgados e, depois de tortos, não adianta querer endireitar os pepininhos. "Se os pais não ensinam os filhos a, desde cedo, arrumar os brinquedos e lavar o copo, mais tarde vão ter dificuldade para impor essas tarefas", afirma a psicopedagoga Marília Coppoli Dias, orientadora educacional do Centro Educacional da Lagoa, no Rio de Janeiro. Orgulhosíssimo de seu feito, o roqueiro Pepeu Gomes, separado há onze anos da cantora Baby do Brasil, ex-Consuelo, com quem tem seis filhos, não deixa que os dois ainda adolescentes (Krishna Baby, 15 anos, e Kryptus Rá, 14) se comportem no seu apartamento como fazem na casa da mãe. "Lá, eles bagunçam à vontade. Na minha, têm de fazer a cama e ainda ajudam a cozinhar", garante. O segredo, segundo ele, é o exemplo. "São adolescentes como todos os outros: folgados, que não gostam de fazer nada. Mas, como sou um sujeito muito organizado, exijo que me respeitem."
As mordomias da classe média brasileira, ancoradas na fartura de mão-de-obra doméstica ainda barata, adubam o terreno onde viceja a preguiça juvenil. "Não é por acaso que os adolescentes americanos e europeus têm um comportamento diferente", analisa Sonia. Por diferente, entenda-se: eles também não gostam e reclamam, mas fazem. "Em países onde não existe empregada para cuidar da casa, todo mundo participa desde sempre e sabe que é importante." O paulista Rafael Bitancourt Craveiro de Sá, 16 anos, foi para os Estados Unidos recém-nascido e voltou com 9 anos. Aos 6, já fazia a cama e limpava o jardim. Atualmente, adianta o jantar enquanto os pais não chegam do trabalho, troca os botões das próprias roupas e, para escândalo dos amigos, preferiria não ter empregada. "Eles nem imaginam como é bom não precisar de ninguém", diz Rafael. 
Esperar passar Não é só dentro de seus domínios que o jovem brasileiro é folgado. Uma pesquisa com adolescentes de seis capitais feita pela CPM, empresa de consultoria de São Paulo, mostrou que, em cada três, só um é capaz de fazer compras no supermercado. Assim mesmo, com restrições. "Eu até vou à padaria ou ao mercado comprar coisas para mim. Mas para a casa, não", explica o carioca Thiago Almeida de Queiroz, 16 anos. Tudo a ver com o adolescente típico, que, na definição do pediatra Chipkevitch, "é egocêntrico e está mais voltado para o bem-estar dele do que dos outros. É muito difícil negociar as normas da casa porque o adolescente é naturalmente indulgente consigo mesmo". Aos pais que não querem travar uma batalha hercúlea contra seus enfants gâtés, o que resta fazer? "O melhor mesmo é esperar a fase passar. Ele acaba percebendo que a vida não é assim", resigna-se Chipkevitch. Enquanto isso, para quem não suporta bagunça, é pegar roupa no chão, enxugar a pia, guardar coisas na geladeira, tampar a pasta de dentes. Como consolo, a expectativa de que, um dia, já adultos e chatos, eles também serão pais de adolescentes. Aí... 
Os talentos e as inaptidões do jovem bem de vida

Ele sabe

Ele não sabe

preparar sanduíche, ovo mexido e macarrão instantâneo atender ao telefone arranjar carona para sair a passeio arrumar a mochila fazer a cama, se obrigado instalar aparelhos eletrônicos (só os seus) instalar programas de computador (só os que lhe interessam) arranjar carona para a escola e o curso de inglês descascar fruta abrir lata enxugar o banheiro depois do banho colocar a roupa suja para lavar pendurar as roupas arrumar a mesa do jantar pôr a tampa na pasta de dentes
Fonte: Revista Veja / Imagem: O Globo

3 comentários:

  1. Aw, this wаs an extremely nice post. Finding thе time and аctual
    еffoгt tо рroduсe a vеry
    good article… but what can I say… I hеsitate a whole lοt and don't manage to get anything done.

    Also visit my site payday loans

    ResponderExcluir
  2. It's an amazing article designed for all the web visitors; they will obtain advantage from it I am sure.

    my web blog :: payday loans

    ResponderExcluir
  3. Hi, Neat post. There's an issue along with your website in web
    explorer, may test this? IE nonetheless is the marketplace leader and a big portion of folks will pass
    over your excellent writing due to this problem.

    Also visit my web-site: inhouse pharmacy

    ResponderExcluir

Um blog não é nada sem o seu comentário! Participe!

Você sabe o que rola por ai? O Ocioso sabe...

Siga também!

Licença Creative CommonsProtected by Copyscape Online Plagiarism Finder Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Link Building - Free Innovative Link Exchange, Link Trading and Link Building
Do not just trade meaningless links, trade them to build your site. Use the Link And Build Innovative Link Technology to Build and Optimize Your Websites. Fast, Easy and Very Effective.

Uptime for Mamae Recomenda: Last 30 days
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger